Arara da VGX – Língua

No que se refere a língua, os Arara do médio Xingu eram, segundo Nimuendajú (1948) e H. Coudreau (1977), de língua Caribe. Os Arara da Volta Grande do Xingu falam o português e reconhecem e falam palavras soltas da língua materna, a qual ficou no passado, e nas lembranças de Leôncio, chefe do grupo, “que por descuido” não aprendeu a língua.

Os estudos do linguista Isaac de Souza sobre a língua dos Arara do Laranjal e Cachoeira Seca (conhecidos como “Arara” ou “Arara do Pará”,  apontaram que a ligação entre esses e os Arara da Volta Grande estão muito distantes.

O contato com os empreendimentos colonizadores foi intenso e interferiu na organização sociocultural do grupo. Diante disso, os Arara buscam fazer o resgate da língua fazendo o intercâmbio cultural com os Arara de Cachoeira Seca. Em 2010 se articularam para receber na aldeia Wangã duas famílias dos Arara do Pará. Soube-se que as famílias se instalaram por seis meses e depois voltaram para a TI Cachoeira Seca. Com isto, viveram uma experiência que dizem pretender repetir.